Yoga

Afinal, o que é Yoga?

O Yoga é uma filosofia prática, um caminho de autoconhecimento rumo ao desenvolvimento e compreensão da nossa verdadeira natureza. Yoga deriva do prefixo yug que, em sânscrito, significa unir. Yoga é conexão, união com o todo. 

Hatha Yoga, do sânscrito, literalmente, significa Yoga da força extrema, da força física. Como o sânscrito é polissêmico, as sílabas ha e tha também querem dizer, respectivamente, sol e lua. O binômio sol-lua se refere a transcender a identificação com dualidades ou pares de opostos, que é a causa do sofrimento humano.   

Apesar de ter o componente da prática física (asanas) e da força, esse não é o ponto central do Yoga. Para Patanjali, deve se considerar que existem oito partes ou membros, Ashtanga Yoga, e as posturas representam apenas uma das oito partes. A parte física é um momento de observação e contemplação para o entendimento de si, além de ser um ponto de partida para movimentar intensamente o fluxo de energia vital (prana). O Hatha Yoga, então, prepara o corpo físico e energético para explorarmos o caminho do autoconhecimento e da libertação. 

O Yoga que é o pilar da minha vida e do trabalho que realizo é o Hatha Yoga tradicional, que é de origem tântrica, mas sempre esteve vinculado e evoluiu com a tradição védica. Tantra, em sânscrito, significa tecer, trama; tan significa expansão, espalhar e tra libertação, salvar. O Tantra reconhece a natureza divina de todas as coisas. E o ser humano, através de um corpo físico, energético, mental e espiritual, é capaz de experimentar e compreender a profunda realidade para alcançar a libertação (moksha). Vale lembrar que, quando falo em tantra, não me refiro à linhagem da mão esquerda, que aborda diretamente a sexualidade, mas sim da mão direita, que está ligada ao trabalho e uso da energia vital para a elevação espiritual e para a otimização da potência do ser, em todos os seus aspectos. 

Hatha Yoga tradicional e sua origem tântrica

Para o Tantra, a vida material, com todas as suas nuances, e a espiritual se manifestam de forma una e sagrada. 

Cada um de nós nasce com um impulso infinito para ter sucesso na vida. A centelha divina é a alma, nossa natureza. Para alcançarmos a grandeza do nosso ser, precisamos nos expressar, manifestar quem somos verdadeiramente. Porém, por hábitos, condicionamentos, tendências, dessa e de outras vidas, ficamos com a visão turva e perdemos a capacidade de perceber a luz intrínseca da alma. Tendemos a esquecer quem somos e o que essa alma quer alcançar, e que nossa natureza é consciência pura, de um potencial criativo infinito. Então, nós praticamos Yoga para relembrar, pra nos reconectarmos com essa luz inata, rumo à libertação desses condicionamentos.  

Para isso, há um conjunto preciso de práticas e metodologias que nos permite ter uma maior compreensão de nós mesmos e que nos ajuda a entender e superar nossas tendências, que se apresentam como obstáculos para que nosso sol interior possa brilhar e manifestar essa centelha divina. 

Para saber mais sobre as práticas, clique aqui

Dúvidas? Entre em contato através do e-mail: yoga@viviancunha.com

%d blogueiros gostam disto: